5 de junho é o Dia Mundial do Meio Ambiente e o tema por aqui não poderia ser outro. Afinal, falar em responsabilidade socioambiental e como as marcas devem se posicionar de maneira empática e transparente só não é mais urgente do que se preparar para eventos climáticos cada vez mais extremos – tal qual o que vimos recentemente no Rio Grande do Sul. 

Se por um lado as pessoas estão mais exigentes em relação à origem do que consomem, por outro é necessário compreender que ter responsabilidade socioambiental vai muito além do posicionamento por meio da comunicação e do branding. Isto é, investir em práticas sustentáveis e apoiar políticas públicas que visem à preservação dos recursos naturais.

E não dá mais para adiar. Essa não é apenas uma tendência ou um diferencial competitivo e, se a sua empresa não está intimamente comprometida com os desafios globais urgentes, como a crise climática e a desigualdade social, ela está desconectada da realidade – e de alguma forma fadada ao fracasso. 

Pensando nisso, reunimos neste artigo estratégias relevantes para empresas que, mais do que sobreviver a este novo cenário, querem estar na liderança do mercado para os novos tempos. Boa leitura!

O que é responsabilidade socioambiental

Ter responsabilidade social e ambiental compreende uma série de ações que as empresas e as organizações precisam adotar para conduzir suas atividades de maneira sustentável, isto é, considerando os impactos do seu negócio em questões como proteção ambiental, justiça social e ética. São medidas como:

  • Minimizar os danos ao meio ambiente, reduzindo a emissão de poluentes, gerenciando adequadamente os resíduos, utilizando recursos naturais de forma sustentável e adotando tecnologias que diminuam o impacto ambiental.
  • Promover condições de trabalho dignas, respeitar os direitos humanos, contribuir para a inclusão social e econômica e apoiar o desenvolvimento das comunidades onde atuam.
  • Manter uma comunicação clara e honesta com todos os stakeholders, incluindo clientes, funcionários, investidores e a comunidade em geral, sobre as práticas e os impactos socioambientais da empresa.

Resumindo: ter responsabilidade socioambiental transcende as obrigações legais; envolve uma postura proativa na busca por melhorias contínuas e inovação em práticas sustentáveis, mesmo quando a sua empresa não esteja necessariamente no epicentro da crise ou não seja sua causadora. Quer um exemplo?

Quando as queimadas na Amazônia atingiram níveis alarmantes, em 2019, a Natura rapidamente se posicionou como uma aliada ativa no enfrentamento da crise e doou grandes quantias para organizações locais e internacionais dedicadas a combater os incêndios e a promover a recuperação da floresta. 

No ano seguinte, para conscientizar sobre o tema, a empresa realizou uma simulação de incêndio no Ibirapuera, em São Paulo. Utilizando tecnologia, a ação projetou imagens de chamas nas árvores em frente ao lago do parque. Quando o “fogo” desaparecia, surgiam plantas crescendo e frases de efeito sobre a importância do bioma amazônico.

responsabilidade socioambiental | natura no ibirapuera

Foto: Fernando Genaro

Importância do ESG

ESG é a sigla em inglês para Environmental, Social, and Governance (em português, Ambiental, Social e Governança). Esses três pilares representam critérios utilizados para medir a sustentabilidade e o impacto social de uma empresa; e integrá-los ajuda a construir resiliência e confiança em tempos de crise.

  1. Ambiental: Marcas que já possuem práticas sustentáveis podem aproveitar essas ações para mostrar seu compromisso contínuo com o meio ambiente. Por exemplo, se a empresa tem iniciativas de redução de carbono ou projetos de preservação ambiental, esses esforços devem ser destacados.
  2. Social: As ações sociais durante a crise são críticas. Contribuições para fundos de ajuda, voluntariado corporativo e apoio às comunidades afetadas são maneiras de mostrar solidariedade. Além disso, ações concretas, como doações e assistência direta, demonstram compromisso social.
  3. Governança: Ter uma estrutura de governança sólida garante que as decisões sejam tomadas de forma democrática, transparente e alinhada com todos os interessados. 

responsabilidade socioambiental | estratégias esg

Como gerenciar crises socioambientais

Entender a complexidade dos desafios atuais e estar preparada para o gerenciamento de crises é essencial para qualquer marca enfrentar de forma eficaz a realidade do mundo emergente. Desastres naturais e crises humanitárias não só afetam diretamente a comunidade, mas também a reputação das empresas. 

Portanto, uma abordagem proativa e bem-estruturada pode ser a diferença entre o sucesso e o fracasso na gestão de crises.

  • Avaliação rápida e precisa

Em momentos de crise, a primeira ação deve ser a avaliação rápida e precisa da situação. Compreender imediatamente o impacto da tragédia na comunidade e nos stakeholders é crucial para tomar decisões baseadas na coleta de dados, na análise do cenário e na identificação dos riscos e danos. 

  • Formação de comitê de crise

Composto por membros-chave da empresa, incluindo representantes de comunicação, recursos humanos e liderança executiva, este grupo deve se reunir regularmente para monitorar a situação, tomar decisões rápidas e ajustar as estratégias conforme necessário

  • Plano de comunicação

Desenvolver um plano de comunicação claro e conciso é indispensável durante uma crise. O plano deve incluir canais de comunicação apropriados e a designação de porta-vozes oficiais, além de mensagens consistentes, empáticas e adaptadas aos diferentes públicos-alvo e canais.

  • Transparência e honestidade

A empresa deve ser aberta sobre o que sabe, o que está fazendo ou como está contribuindo. Isso não só ajuda a construir confiança e credibilidade, mas também demonstra um compromisso real com a resolução da crise e o bem-estar da comunidade. 

Em tempo: admitir erros e deslizes, ao mesmo tempo que se comunica claramente os esforços em andamento, reforça a imagem de uma marca responsável e confiável.

responsabilidade socioambiental | crise de imagem

Estratégias de responsabilidade socioambiental

Uma marca que demonstra preocupação com o meio ambiente e a comunidade prova que entende a importância de atuar de maneira ética e fortalece a sua reputação. Essas atitudes influenciam positivamente outras empresas, setores da sociedade e geram um vínculo mais sólido com o público.

Para alcançar esses objetivos, algumas estratégias podem ser implementadas:

  • Empatia e solidariedade: Em qualquer mensagem, é essencial mostrar empatia. Frases como “estamos juntos nesta situação” ou “sentimos profundamente pelos afetados” devem ser autênticas e refletir a cultura da empresa.
  • Ações concretas: Comunicar não apenas palavras, mas ações. Informar ao público sobre as medidas que a empresa está tomando para ajudar, como doações, suporte logístico ou parcerias com organizações da sociedade civil.

Mais um exemplo para inspirar: em meio às enchentes que devastaram o Rio Grande do Sul, ainda na primeira semana do desastre, a Ambev anunciou que suspenderia a produção de cerveja em sua fábrica de Viamão, Porto Alegre, para envasar água potável e doar à população gaúcha. 

responsabilidade socioambiental | ambev

Resultado: a medida foi notícia em todos os grandes portais de comunicação do país e o rótulo da água em lata, com a marca da companhia, viralizou nas redes.

  • Canais de comunicação: Utilizar múltiplos canais para alcançar diferentes públicos. Redes sociais, comunicados de imprensa, newsletters e o site da empresa são fundamentais para uma comunicação abrangente.
  • Porta-vozes capacitados: Treinar porta-vozes para falar com a mídia e com o público. Eles devem ser informados, empáticos e capazes de transmitir as mensagens da empresa de forma clara e convincente.
  • Feedback e ajuste: Estar aberta a feedbacks do público e ajustar as estratégias conforme necessário. Monitorar as reações nas redes sociais e outros canais para adaptar as mensagens e ações.

A verdade é que a responsabilidade socioambiental é um imperativo estratégico para as empresas. Assim como a Natura durante as queimadas na Amazônia e a Ambev, nas enchentes do Rio Grande do Sul, marcas que estejam prontas para ações rápidas, empáticas e alinhadas à comunidade certamente estão preparadas para sobreviver aos novos tempos. 

Neste cenário de incertezas, ter uma assessoria de comunicação profissional e experiente faz toda a diferença. Para isso, conte a Letra A. Com quase 30 anos de experiência no mercado potiguar, nosso time está a postos para orientar (ou socorrer) a sua marca em momentos de crise.

Clique aqui e fale conosco!

 

Sobre o autor: Carla Cruz

Jornalista com pós-graduação em Propaganda e Marketing na Gestão de Marcas, pela UFRN, Carla Cruz tem mais de 10 anos de experiência em assessoria de comunicação. Atuou como supervisora de Comunicação da Unimed Natal, assessora parlamentar e coordenadora de Comunicação da Secretaria Estadual das Mulheres, da Juventude, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos do RN. Fala sobre branding, marketing de conteúdo e comunicação organizacional.

Assine a newsletter da Letra A e receba nossos conteúdos em primeira mão!

* indicates required

Intuit Mailchimp

5 de junho é o Dia Mundial do Meio Ambiente e o tema por aqui não poderia ser outro. Afinal, falar em responsabilidade socioambiental e como as marcas devem se posicionar de maneira empática e transparente só não é mais urgente do que se preparar para eventos climáticos cada vez mais extremos – tal qual o que vimos recentemente no Rio Grande do Sul. 

Se por um lado as pessoas estão mais exigentes em relação à origem do que consomem, por outro é necessário compreender que ter responsabilidade socioambiental vai muito além do posicionamento por meio da comunicação e do branding. Isto é, investir em práticas sustentáveis e apoiar políticas públicas que visem à preservação dos recursos naturais.

E não dá mais para adiar. Essa não é apenas uma tendência ou um diferencial competitivo e, se a sua empresa não está intimamente comprometida com os desafios globais urgentes, como a crise climática e a desigualdade social, ela está desconectada da realidade – e de alguma forma fadada ao fracasso. 

Pensando nisso, reunimos neste artigo estratégias relevantes para empresas que, mais do que sobreviver a este novo cenário, querem estar na liderança do mercado para os novos tempos. Boa leitura!

O que é responsabilidade socioambiental

Ter responsabilidade social e ambiental compreende uma série de ações que as empresas e as organizações precisam adotar para conduzir suas atividades de maneira sustentável, isto é, considerando os impactos do seu negócio em questões como proteção ambiental, justiça social e ética. São medidas como:

  • Minimizar os danos ao meio ambiente, reduzindo a emissão de poluentes, gerenciando adequadamente os resíduos, utilizando recursos naturais de forma sustentável e adotando tecnologias que diminuam o impacto ambiental.
  • Promover condições de trabalho dignas, respeitar os direitos humanos, contribuir para a inclusão social e econômica e apoiar o desenvolvimento das comunidades onde atuam.
  • Manter uma comunicação clara e honesta com todos os stakeholders, incluindo clientes, funcionários, investidores e a comunidade em geral, sobre as práticas e os impactos socioambientais da empresa.

Resumindo: ter responsabilidade socioambiental transcende as obrigações legais; envolve uma postura proativa na busca por melhorias contínuas e inovação em práticas sustentáveis, mesmo quando a sua empresa não esteja necessariamente no epicentro da crise ou não seja sua causadora. Quer um exemplo?

Quando as queimadas na Amazônia atingiram níveis alarmantes, em 2019, a Natura rapidamente se posicionou como uma aliada ativa no enfrentamento da crise e doou grandes quantias para organizações locais e internacionais dedicadas a combater os incêndios e a promover a recuperação da floresta. 

No ano seguinte, para conscientizar sobre o tema, a empresa realizou uma simulação de incêndio no Ibirapuera, em São Paulo. Utilizando tecnologia, a ação projetou imagens de chamas nas árvores em frente ao lago do parque. Quando o “fogo” desaparecia, surgiam plantas crescendo e frases de efeito sobre a importância do bioma amazônico.

responsabilidade socioambiental | natura no ibirapuera

Foto: Fernando Genaro

Importância do ESG

ESG é a sigla em inglês para Environmental, Social, and Governance (em português, Ambiental, Social e Governança). Esses três pilares representam critérios utilizados para medir a sustentabilidade e o impacto social de uma empresa; e integrá-los ajuda a construir resiliência e confiança em tempos de crise.

  1. Ambiental: Marcas que já possuem práticas sustentáveis podem aproveitar essas ações para mostrar seu compromisso contínuo com o meio ambiente. Por exemplo, se a empresa tem iniciativas de redução de carbono ou projetos de preservação ambiental, esses esforços devem ser destacados.
  2. Social: As ações sociais durante a crise são críticas. Contribuições para fundos de ajuda, voluntariado corporativo e apoio às comunidades afetadas são maneiras de mostrar solidariedade. Além disso, ações concretas, como doações e assistência direta, demonstram compromisso social.
  3. Governança: Ter uma estrutura de governança sólida garante que as decisões sejam tomadas de forma democrática, transparente e alinhada com todos os interessados. 

responsabilidade socioambiental | estratégias esg

Como gerenciar crises socioambientais

Entender a complexidade dos desafios atuais e estar preparada para o gerenciamento de crises é essencial para qualquer marca enfrentar de forma eficaz a realidade do mundo emergente. Desastres naturais e crises humanitárias não só afetam diretamente a comunidade, mas também a reputação das empresas. 

Portanto, uma abordagem proativa e bem-estruturada pode ser a diferença entre o sucesso e o fracasso na gestão de crises.

  • Avaliação rápida e precisa

Em momentos de crise, a primeira ação deve ser a avaliação rápida e precisa da situação. Compreender imediatamente o impacto da tragédia na comunidade e nos stakeholders é crucial para tomar decisões baseadas na coleta de dados, na análise do cenário e na identificação dos riscos e danos. 

  • Formação de comitê de crise

Composto por membros-chave da empresa, incluindo representantes de comunicação, recursos humanos e liderança executiva, este grupo deve se reunir regularmente para monitorar a situação, tomar decisões rápidas e ajustar as estratégias conforme necessário

  • Plano de comunicação

Desenvolver um plano de comunicação claro e conciso é indispensável durante uma crise. O plano deve incluir canais de comunicação apropriados e a designação de porta-vozes oficiais, além de mensagens consistentes, empáticas e adaptadas aos diferentes públicos-alvo e canais.

  • Transparência e honestidade

A empresa deve ser aberta sobre o que sabe, o que está fazendo ou como está contribuindo. Isso não só ajuda a construir confiança e credibilidade, mas também demonstra um compromisso real com a resolução da crise e o bem-estar da comunidade. 

Em tempo: admitir erros e deslizes, ao mesmo tempo que se comunica claramente os esforços em andamento, reforça a imagem de uma marca responsável e confiável.

responsabilidade socioambiental | crise de imagem

Estratégias de responsabilidade socioambiental

Uma marca que demonstra preocupação com o meio ambiente e a comunidade prova que entende a importância de atuar de maneira ética e fortalece a sua reputação. Essas atitudes influenciam positivamente outras empresas, setores da sociedade e geram um vínculo mais sólido com o público.

Para alcançar esses objetivos, algumas estratégias podem ser implementadas:

  • Empatia e solidariedade: Em qualquer mensagem, é essencial mostrar empatia. Frases como “estamos juntos nesta situação” ou “sentimos profundamente pelos afetados” devem ser autênticas e refletir a cultura da empresa.
  • Ações concretas: Comunicar não apenas palavras, mas ações. Informar ao público sobre as medidas que a empresa está tomando para ajudar, como doações, suporte logístico ou parcerias com organizações da sociedade civil.

Mais um exemplo para inspirar: em meio às enchentes que devastaram o Rio Grande do Sul, ainda na primeira semana do desastre, a Ambev anunciou que suspenderia a produção de cerveja em sua fábrica de Viamão, Porto Alegre, para envasar água potável e doar à população gaúcha. 

responsabilidade socioambiental | ambev

Resultado: a medida foi notícia em todos os grandes portais de comunicação do país e o rótulo da água em lata, com a marca da companhia, viralizou nas redes.

  • Canais de comunicação: Utilizar múltiplos canais para alcançar diferentes públicos. Redes sociais, comunicados de imprensa, newsletters e o site da empresa são fundamentais para uma comunicação abrangente.
  • Porta-vozes capacitados: Treinar porta-vozes para falar com a mídia e com o público. Eles devem ser informados, empáticos e capazes de transmitir as mensagens da empresa de forma clara e convincente.
  • Feedback e ajuste: Estar aberta a feedbacks do público e ajustar as estratégias conforme necessário. Monitorar as reações nas redes sociais e outros canais para adaptar as mensagens e ações.

A verdade é que a responsabilidade socioambiental é um imperativo estratégico para as empresas. Assim como a Natura durante as queimadas na Amazônia e a Ambev, nas enchentes do Rio Grande do Sul, marcas que estejam prontas para ações rápidas, empáticas e alinhadas à comunidade certamente estão preparadas para sobreviver aos novos tempos. 

Neste cenário de incertezas, ter uma assessoria de comunicação profissional e experiente faz toda a diferença. Para isso, conte a Letra A. Com quase 30 anos de experiência no mercado potiguar, nosso time está a postos para orientar (ou socorrer) a sua marca em momentos de crise.

Clique aqui e fale conosco!

 

Sobre o autor: Carla Cruz

Jornalista com pós-graduação em Propaganda e Marketing na Gestão de Marcas, pela UFRN, Carla Cruz tem mais de 10 anos de experiência em assessoria de comunicação. Atuou como supervisora de Comunicação da Unimed Natal, assessora parlamentar e coordenadora de Comunicação da Secretaria Estadual das Mulheres, da Juventude, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos do RN. Fala sobre branding, marketing de conteúdo e comunicação organizacional.

Postagens relacionadas

Voltar para o blog

Compartilhe

Comentários