Estar conectado é um dos requisitos da atualidade. Informações, trabalho, diversão, tudo acontece no mundo virtual e, por isso, uma queda na rede ou uma simples lentidão na conexão já é motivo de apreensão entre os usuários. Para evitar essas situações ou, na busca para tentar resolver os problemas, a solução pensada pela maioria dos internautas é aumentar a velocidade da internet contratada, o que nem sempre é o que vai mudar o cenário e garantir uma boa navegação.

“Aumentar a velocidade só faz sentido se a atual contratada não estiver sendo compatível com a utilização”, afirma Carlos Siqueira, Coordenador de Atendimento Técnico. O especialista explica que na maioria das vezes, para o uso comum de redes sociais ou utilizações triviais, não é necessária uma velocidade muito alta, o que é ideal para outras demandas maiores. Ou seja, nem sempre a velocidade é a culpada pela lentidão da conexão.

O fato é que o comportamento dos usuários mudou bastante nos últimos anos: antes, a conexão que era realizada por meio de computadores de mesa e cabos, hoje em dia é prioritariamente via rede sem fio, o famoso Wi-Fi. De acordo com a pesquisa TIC Domicílios 2018, 79% dos domicílios já possuem essa tecnologia e 97% dos usuários utilizam o celular para se conectarem. Além disso, não são mais apenas computadores e smartphones conectados à rede Wi-Fi: cada vez mais novos equipamentos se agregam à internet, como TVs e até geladeiras.

“A questão é que muitos dispositivos de transmissão não acompanharam a mudança comportamental dos usuários e alguns modelos de modens não comportam as altas velocidades para a conexão Wi-Fi”, comenta Siqueira. De acordo com o especialista, é aí que reside a maioria dos problemas no sinal da internet.

Outra circunstância que pode ser uma causadora de transtornos entre os usuários com a internet é o próprio aparelho usado para se conectar. Alguns computadores e smartphones não comportam toda a velocidade contratada pelo internauta e isso pode gerar lentidão. “Contar com uma alta velocidade e um aparelho que não suporta a rede sem fio é como ter uma Ferrari e tentar pilotá-la em uma estrada repleta de buracos, vai ser complicado”, compara Siqueira.

Estes detalhes, pouco conhecidos pelos clientes, são alguns dos responsáveis pela maioria dos problemas detectados nas casas dos usuários. Para identificar essas situações, o indicado é agendar uma visita de um técnico especializado para analisar as condições dos aparelhos, a fim de diagnosticar quais são as melhores soluções para cada caso e fazer com que o sinal da internet chegue aos aparelhos sem empecilhos, seja por cabo ou Wi-Fi.

Sobre o autor: Letra A

Estar conectado é um dos requisitos da atualidade. Informações, trabalho, diversão, tudo acontece no mundo virtual e, por isso, uma queda na rede ou uma simples lentidão na conexão já é motivo de apreensão entre os usuários. Para evitar essas situações ou, na busca para tentar resolver os problemas, a solução pensada pela maioria dos internautas é aumentar a velocidade da internet contratada, o que nem sempre é o que vai mudar o cenário e garantir uma boa navegação.

“Aumentar a velocidade só faz sentido se a atual contratada não estiver sendo compatível com a utilização”, afirma Carlos Siqueira, Coordenador de Atendimento Técnico. O especialista explica que na maioria das vezes, para o uso comum de redes sociais ou utilizações triviais, não é necessária uma velocidade muito alta, o que é ideal para outras demandas maiores. Ou seja, nem sempre a velocidade é a culpada pela lentidão da conexão.

O fato é que o comportamento dos usuários mudou bastante nos últimos anos: antes, a conexão que era realizada por meio de computadores de mesa e cabos, hoje em dia é prioritariamente via rede sem fio, o famoso Wi-Fi. De acordo com a pesquisa TIC Domicílios 2018, 79% dos domicílios já possuem essa tecnologia e 97% dos usuários utilizam o celular para se conectarem. Além disso, não são mais apenas computadores e smartphones conectados à rede Wi-Fi: cada vez mais novos equipamentos se agregam à internet, como TVs e até geladeiras.

“A questão é que muitos dispositivos de transmissão não acompanharam a mudança comportamental dos usuários e alguns modelos de modens não comportam as altas velocidades para a conexão Wi-Fi”, comenta Siqueira. De acordo com o especialista, é aí que reside a maioria dos problemas no sinal da internet.

Outra circunstância que pode ser uma causadora de transtornos entre os usuários com a internet é o próprio aparelho usado para se conectar. Alguns computadores e smartphones não comportam toda a velocidade contratada pelo internauta e isso pode gerar lentidão. “Contar com uma alta velocidade e um aparelho que não suporta a rede sem fio é como ter uma Ferrari e tentar pilotá-la em uma estrada repleta de buracos, vai ser complicado”, compara Siqueira.

Estes detalhes, pouco conhecidos pelos clientes, são alguns dos responsáveis pela maioria dos problemas detectados nas casas dos usuários. Para identificar essas situações, o indicado é agendar uma visita de um técnico especializado para analisar as condições dos aparelhos, a fim de diagnosticar quais são as melhores soluções para cada caso e fazer com que o sinal da internet chegue aos aparelhos sem empecilhos, seja por cabo ou Wi-Fi.

Sobre o autor: Letra A

Postagens relacionadas

Voltar para as notícias

Compartilhe