Com a pandemia do novo coronavírus, o número de pessoas desempregadas no Brasil cresceu de 12,4% para 13,1%, atingindo 12,3 milhões de pessoas em julho.  Ao longo do mês, mais 438 mil pessoas ficaram sem emprego, se comparado a junho. A população ocupada caiu para 81,5 milhões de trabalhadores. No Nordeste, a taxa de desemprego é a maior do país, atingindo 14%. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Mensal (Pnad Covid19) divulgados nesta quinta-feira (20), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Contudo, com a reabertura gradual das empresas no último mês, e a retomada gradual da economia, a expectativa é de que novas vagas de empregos sejam abertas. Neste contexto, Gabriela Saldanha, coordenadora dos cursos de Gestão da Estácio Natal alerta: “É preciso entender que, em alguns casos, a recolocação do profissional no mercado de trabalho se dará em cargos hierarquicamente inferiores aos anteriormente alocados, e com uma remuneração menor. Mas, o profissional não pode desanimar. É importante se recolocar no mercado, pois além da questão financeira, quando o profissional está ativo, pode crescer hierarquicamente e também é visto pelas demais empresas”, orienta.

Currículo e habilidades exigidas

Um dos grandes destaques na candidatura a uma vaga de emprego, atualmente, é para as competências comportamentais, que já eram importantes antes da pandemia, e agora são ainda mais requeridas pelas empresas. “Nesse cenário em que estamos vivendo, a adaptação dos profissionais a esse ‘novo normal’ e aos novos mecanismos de trabalho, aliados à resiliência, são os comportamentos mais valorizados pelas empresas. As pessoas que aproveitaram esse período para se desenvolver sairão na frente nessa busca por emprego”, frisa.

“Diversas empresas precisaram se reinventar, e, assim como elas, nós profissionais também precisamos nos adaptar a essa nova realidade. Então, a primeira habilidade que temos que destacar é o domínio das ferramentas tecnológicas. Outras competências valorizadas ainda mais agora são: resiliência, versatilidade, dinamismo, criatividade, pensamento crítico, liderança, flexibilidade cognitiva, inteligência emocional, gestão de pessoas, foco em resultados e autogerenciamento”, enumera a professora. 

É importante lembrar ainda que o currículo deve ser pensado para cada uma das empresas na qual se inscreve para participar do processo seletivo. É indicado deixar o currículo personalizado e atraente, deixando mais evidentes as informações que possam demonstrar que o candidato detém as competências exigidas por aquela empresa. “Um selecionador experiente leva em média oito segundos para analisar um currículo. Por isso, os candidatos precisam evidenciar todos os seus pontos fortes que são requeridos pelas vagas, independente do tipo de processo seletivo que esteja participando, seja presencial ou virtual”, afirma.

Entrevistas virtuais

Para a manutenção do distanciamento social – orientação que continua sendo recomendada pelas autoridades de saúde – muitas empresas têm aderido às entrevistas virtuais, por meio de plataformas de videoconferência. Nesses casos, segundo Gabriela Saldanha, do mesmo modo como no processo seletivo presencial, a entrevista virtual exige do candidato toda uma preparação, e com mais cuidado ainda, já que ele estará em casa e alguns ruídos e distrações podem ocorrer durante a videoconferência. Além do conhecimento prévio sobre a empresa para a qual está concorrendo à vaga, algumas dicas são fundamentais para esse momento. 

A vestimenta, assim como nas entrevistas presenciais, é de grande importância. “Não é porque estou na minha casa que posso me vestir de qualquer maneira. Tenho que me apresentar de forma adequada, utilizando roupas condizentes com a empresa para a qual estou concorrendo à vaga, sempre com cabelo arrumado, barba bem feita e maquiagem leve e adequada”, orienta Gabriela Saldanha.

Além dessas dicas básicas, que servem tanto para entrevistas presenciais quanto para virtuais, é necessário separar um ambiente onde não haja ruídos nem interrupções, e ainda que seja bem iluminado. “Avise a todos em sua casa que você estará participando de uma entrevista. Se o aplicativo que você estiver utilizando possibilitar o desfoque do plano de fundo, faça isso, pois terá o destaque apenas para o candidato. Um outro ponto importante também é a realização do teste do microfone e câmera do equipamento que o candidato irá utilizar antes da entrevista. Se antecipar a possíveis imprevistos é essencial”, destaca. 

Sobre o autor: admin

Com a pandemia do novo coronavírus, o número de pessoas desempregadas no Brasil cresceu de 12,4% para 13,1%, atingindo 12,3 milhões de pessoas em julho.  Ao longo do mês, mais 438 mil pessoas ficaram sem emprego, se comparado a junho. A população ocupada caiu para 81,5 milhões de trabalhadores. No Nordeste, a taxa de desemprego é a maior do país, atingindo 14%. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Mensal (Pnad Covid19) divulgados nesta quinta-feira (20), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Contudo, com a reabertura gradual das empresas no último mês, e a retomada gradual da economia, a expectativa é de que novas vagas de empregos sejam abertas. Neste contexto, Gabriela Saldanha, coordenadora dos cursos de Gestão da Estácio Natal alerta: “É preciso entender que, em alguns casos, a recolocação do profissional no mercado de trabalho se dará em cargos hierarquicamente inferiores aos anteriormente alocados, e com uma remuneração menor. Mas, o profissional não pode desanimar. É importante se recolocar no mercado, pois além da questão financeira, quando o profissional está ativo, pode crescer hierarquicamente e também é visto pelas demais empresas”, orienta.

Currículo e habilidades exigidas

Um dos grandes destaques na candidatura a uma vaga de emprego, atualmente, é para as competências comportamentais, que já eram importantes antes da pandemia, e agora são ainda mais requeridas pelas empresas. “Nesse cenário em que estamos vivendo, a adaptação dos profissionais a esse ‘novo normal’ e aos novos mecanismos de trabalho, aliados à resiliência, são os comportamentos mais valorizados pelas empresas. As pessoas que aproveitaram esse período para se desenvolver sairão na frente nessa busca por emprego”, frisa.

“Diversas empresas precisaram se reinventar, e, assim como elas, nós profissionais também precisamos nos adaptar a essa nova realidade. Então, a primeira habilidade que temos que destacar é o domínio das ferramentas tecnológicas. Outras competências valorizadas ainda mais agora são: resiliência, versatilidade, dinamismo, criatividade, pensamento crítico, liderança, flexibilidade cognitiva, inteligência emocional, gestão de pessoas, foco em resultados e autogerenciamento”, enumera a professora. 

É importante lembrar ainda que o currículo deve ser pensado para cada uma das empresas na qual se inscreve para participar do processo seletivo. É indicado deixar o currículo personalizado e atraente, deixando mais evidentes as informações que possam demonstrar que o candidato detém as competências exigidas por aquela empresa. “Um selecionador experiente leva em média oito segundos para analisar um currículo. Por isso, os candidatos precisam evidenciar todos os seus pontos fortes que são requeridos pelas vagas, independente do tipo de processo seletivo que esteja participando, seja presencial ou virtual”, afirma.

Entrevistas virtuais

Para a manutenção do distanciamento social – orientação que continua sendo recomendada pelas autoridades de saúde – muitas empresas têm aderido às entrevistas virtuais, por meio de plataformas de videoconferência. Nesses casos, segundo Gabriela Saldanha, do mesmo modo como no processo seletivo presencial, a entrevista virtual exige do candidato toda uma preparação, e com mais cuidado ainda, já que ele estará em casa e alguns ruídos e distrações podem ocorrer durante a videoconferência. Além do conhecimento prévio sobre a empresa para a qual está concorrendo à vaga, algumas dicas são fundamentais para esse momento. 

A vestimenta, assim como nas entrevistas presenciais, é de grande importância. “Não é porque estou na minha casa que posso me vestir de qualquer maneira. Tenho que me apresentar de forma adequada, utilizando roupas condizentes com a empresa para a qual estou concorrendo à vaga, sempre com cabelo arrumado, barba bem feita e maquiagem leve e adequada”, orienta Gabriela Saldanha.

Além dessas dicas básicas, que servem tanto para entrevistas presenciais quanto para virtuais, é necessário separar um ambiente onde não haja ruídos nem interrupções, e ainda que seja bem iluminado. “Avise a todos em sua casa que você estará participando de uma entrevista. Se o aplicativo que você estiver utilizando possibilitar o desfoque do plano de fundo, faça isso, pois terá o destaque apenas para o candidato. Um outro ponto importante também é a realização do teste do microfone e câmera do equipamento que o candidato irá utilizar antes da entrevista. Se antecipar a possíveis imprevistos é essencial”, destaca. 

Sobre o autor: admin

Postagens relacionadas

Voltar para as notícias

Compartilhe