O Governo do Estado publicou decreto favorável à reabertura gradual das atividades econômicas no RN, suspensas devido à pandemia da Covid-19. Neste contexto, foi anunciada uma possível data para a retomada das aulas presenciais, que seria, até então, dia 17 de agosto. Apesar do anúncio para a permissão da reabertura das escolas, a Casa Escola optou por dialogar diretamente com os pais dos alunos, de modo a decidirem juntos, equipe e família, sobre as melhores diretrizes para este momento e a construção de um ambiente escolar seguro de maneira participativa. E, especialmente, quando o retorno deveria acontecer: a opção foi pelo dia 01 de setembro.

Para Priscila Griner, diretora da Casa Escola, em um cenário de tantas incertezas e opiniões diversas, é primordial uma conscientização em parceria com os familiares dos alunos, atuando diretamente nas decisões – o que já é uma prática da escola e tem se fortalecido neste período. “Este é um momento muito propício para o diálogo. Nesse cenário de medo, apreensão e incertezas, as cabeças têm de pensar juntas consensualmente em prol de algo melhor. Além disso, quando todos decidem em consenso, gera um comprometimento com esta responsabilidade extrema, compartilhada entre escola e pais, que é a saúde e a segurança das crianças, jovens e adultos envolvidos diretamente”, explica.

Em função deste debate, a escola tem realizado conferências virtuais com uma comissão de pais e professores que representam os vários segmentos da escola – que vão da Educação Infantil ao Ensino Fundamental 2. Nestas reuniões, além dos participantes contribuírem com suas opiniões, também têm compartilhado seus conhecimentos profissionais para a preparação do retorno às aulas. A escola também organizou um questionário para obter informações sobre as características e opiniões de cada família da comunidade escolar sobre o tema.

Alguns dos pontos de discussão em conjunto abordam a ocupação dos espaços para garantir o distanciamento, a dinâmica do fluxo de chegada e saída dos alunos, a rotina e procedimentos para a entrada nas dependências da escola, planejamento de protocolos internos para a utilização de espaços e criação de fluxos internos, além da capacitação da equipe, comunicação entre pais e escola, preparação pedagógica e também emocional dos alunos e dos profissionais envolvidos.

“A Casa Escola tem se preparado para receber os seus alunos dentro das adequações e normas de retorno às aulas, segundo as recomendações dos órgãos competentes e o que está previsto em lei. Contudo, precisamos que todos estejam engajados, pois, para melhor atuar, a escola deve considerar a situação e a participação ativa de cada família. É em conjunto com elas que vamos decidir quando e como será o momento de retomarmos às aulas presenciais”, expõe Griner.

A instituição tem feito a aquisição de materiais de prevenção e proteção, além de estar em contato com o Sebrae-RN e o Sesi para o recebimento de consultoria e orientações de Bio Prevenção neste período de pandemia – de forma que o retorno seja da maneira mais segura possível para todos os envolvidos. “A retomada é mais uma adaptação, assim como foi a mudança do ensino presencial para o online. Mas, desta vez, com possibilidade de nos prepararmos todos juntos e no tempo em que todos nós, que fazemos a comunidade escolar, considerarmos viável e seguro”.

Sobre o autor: admin

O Governo do Estado publicou decreto favorável à reabertura gradual das atividades econômicas no RN, suspensas devido à pandemia da Covid-19. Neste contexto, foi anunciada uma possível data para a retomada das aulas presenciais, que seria, até então, dia 17 de agosto. Apesar do anúncio para a permissão da reabertura das escolas, a Casa Escola optou por dialogar diretamente com os pais dos alunos, de modo a decidirem juntos, equipe e família, sobre as melhores diretrizes para este momento e a construção de um ambiente escolar seguro de maneira participativa. E, especialmente, quando o retorno deveria acontecer: a opção foi pelo dia 01 de setembro.

Para Priscila Griner, diretora da Casa Escola, em um cenário de tantas incertezas e opiniões diversas, é primordial uma conscientização em parceria com os familiares dos alunos, atuando diretamente nas decisões – o que já é uma prática da escola e tem se fortalecido neste período. “Este é um momento muito propício para o diálogo. Nesse cenário de medo, apreensão e incertezas, as cabeças têm de pensar juntas consensualmente em prol de algo melhor. Além disso, quando todos decidem em consenso, gera um comprometimento com esta responsabilidade extrema, compartilhada entre escola e pais, que é a saúde e a segurança das crianças, jovens e adultos envolvidos diretamente”, explica.

Em função deste debate, a escola tem realizado conferências virtuais com uma comissão de pais e professores que representam os vários segmentos da escola – que vão da Educação Infantil ao Ensino Fundamental 2. Nestas reuniões, além dos participantes contribuírem com suas opiniões, também têm compartilhado seus conhecimentos profissionais para a preparação do retorno às aulas. A escola também organizou um questionário para obter informações sobre as características e opiniões de cada família da comunidade escolar sobre o tema.

Alguns dos pontos de discussão em conjunto abordam a ocupação dos espaços para garantir o distanciamento, a dinâmica do fluxo de chegada e saída dos alunos, a rotina e procedimentos para a entrada nas dependências da escola, planejamento de protocolos internos para a utilização de espaços e criação de fluxos internos, além da capacitação da equipe, comunicação entre pais e escola, preparação pedagógica e também emocional dos alunos e dos profissionais envolvidos.

“A Casa Escola tem se preparado para receber os seus alunos dentro das adequações e normas de retorno às aulas, segundo as recomendações dos órgãos competentes e o que está previsto em lei. Contudo, precisamos que todos estejam engajados, pois, para melhor atuar, a escola deve considerar a situação e a participação ativa de cada família. É em conjunto com elas que vamos decidir quando e como será o momento de retomarmos às aulas presenciais”, expõe Griner.

A instituição tem feito a aquisição de materiais de prevenção e proteção, além de estar em contato com o Sebrae-RN e o Sesi para o recebimento de consultoria e orientações de Bio Prevenção neste período de pandemia – de forma que o retorno seja da maneira mais segura possível para todos os envolvidos. “A retomada é mais uma adaptação, assim como foi a mudança do ensino presencial para o online. Mas, desta vez, com possibilidade de nos prepararmos todos juntos e no tempo em que todos nós, que fazemos a comunidade escolar, considerarmos viável e seguro”.

Sobre o autor: admin

Postagens relacionadas

Voltar para as notícias

Compartilhe