Uma rotina intensa, decisões no trabalho, uma entrevista de emprego, realização de provas e concursos são situações que muitas vezes nos tiram a calma e até comprometem a qualidade do sono. Dentre as opções para manter a mente e o corpo tranquilos, as plantas medicinais, em preparações de infusão (o que chamamos de chá), se apresentam como alternativas paliativas de preparo simples e com benefícios comprovados cientificamente.

O uso consciente das plantas medicinais é aceito e preconizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). De acordo com os dados do Ministério da Saúde, entre os anos de 2013 e 2015, a busca pelo tratamento à base de plantas e medicamentos fitoterápicos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) teve um crescimento de 161%.

A professora Ana Elizabeth Alves explica que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) regula o consumo das plantas medicinais como fitoterápicos por meio de uma lista de espécimes que foram estudadas e que apresentam comprovação científica da sua eficácia na melhoria de sintomas de determinadas doenças. Raízes, folhas, flores, cascas e frutos têm propriedades para tratamento de uma infinidade de enfermidades. Antes do uso, no entanto, é importante verificar se há alguma sensibilidade a alguns dos componentes.

Para situações de estresse, a professora recomenda algumas plantas que podem ser utilizadas:

Funcho (Foeniculum Vulgare) ou Erva-Doce: As sementes concentram as maiores propriedades medicinais, contudo, as folhas também são utilizadas na medicina popular. O funcho relaxa os músculos lisos na área tônica digestiva.
Como utilizar:  fazer a infusão com três colheres de sopa de sementes secas de Funcho para um litro de água. Tomar uma xícara do chá três vezes ao dia.

Camomila (Matricaria Recutita): A camomila é rica em propriedades sedativas e calmantes. Suas folhas e flores apresentam características medicinais.
Como utilizar: fazer a infusão com suas folhas e flores. Tomar uma xícara do chá três vezes ao dia.

Maracujá (Passiflora Incarnata): As folhas possuem efeito adstringente, agem como sedativo no tratamento da tensão nervosa e insônia.
Como utilizar: fazer a infusão com uma folha fresca de maracujá para uma xícara de chá de chá. Beba duas xícaras por dia.

Projeto dá orientações a idosos sobre uso consciente das plantas medicinais

O projeto de extensão do curso de Nutrição da Estácio Ponta Negra – denominado “Educação em saúde visando o uso racional de plantas medicinais e/ou fitoterápicos em grupos de idosos na cidade de Natal/RN” -, realiza encontros mensais com grupos da terceira idade no Serviço Social do Comércio do RN (Sesc-RN). Estudantes supervisionados pela coordenadora do projeto, professora Ana Elizabeth Alves, já realizaram um levantamento das plantas medicinais mais conhecidas e utilizadas pelos idosos atendidos pelo grupo.

A partir destas informações, o trabalho terá continuidade com a promoção de palestras a fim de orientá-los sobre o uso consciente das plantas de acordo com suas necessidades e com a preconização do Ministério da Saúde. Também faz parte do projeto a realização de oficinas culinárias com preparações de chás, infusões e suchás junto aos idosos, de modo que possam fazer o uso correto das plantas medicinais e usufruir seus benefícios de forma segura. O próximo encontro mensal será no dia 19 de junho.

Sobre o autor: Letra A

Uma rotina intensa, decisões no trabalho, uma entrevista de emprego, realização de provas e concursos são situações que muitas vezes nos tiram a calma e até comprometem a qualidade do sono. Dentre as opções para manter a mente e o corpo tranquilos, as plantas medicinais, em preparações de infusão (o que chamamos de chá), se apresentam como alternativas paliativas de preparo simples e com benefícios comprovados cientificamente.

O uso consciente das plantas medicinais é aceito e preconizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). De acordo com os dados do Ministério da Saúde, entre os anos de 2013 e 2015, a busca pelo tratamento à base de plantas e medicamentos fitoterápicos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) teve um crescimento de 161%.

A professora Ana Elizabeth Alves explica que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) regula o consumo das plantas medicinais como fitoterápicos por meio de uma lista de espécimes que foram estudadas e que apresentam comprovação científica da sua eficácia na melhoria de sintomas de determinadas doenças. Raízes, folhas, flores, cascas e frutos têm propriedades para tratamento de uma infinidade de enfermidades. Antes do uso, no entanto, é importante verificar se há alguma sensibilidade a alguns dos componentes.

Para situações de estresse, a professora recomenda algumas plantas que podem ser utilizadas:

Funcho (Foeniculum Vulgare) ou Erva-Doce: As sementes concentram as maiores propriedades medicinais, contudo, as folhas também são utilizadas na medicina popular. O funcho relaxa os músculos lisos na área tônica digestiva.
Como utilizar:  fazer a infusão com três colheres de sopa de sementes secas de Funcho para um litro de água. Tomar uma xícara do chá três vezes ao dia.

Camomila (Matricaria Recutita): A camomila é rica em propriedades sedativas e calmantes. Suas folhas e flores apresentam características medicinais.
Como utilizar: fazer a infusão com suas folhas e flores. Tomar uma xícara do chá três vezes ao dia.

Maracujá (Passiflora Incarnata): As folhas possuem efeito adstringente, agem como sedativo no tratamento da tensão nervosa e insônia.
Como utilizar: fazer a infusão com uma folha fresca de maracujá para uma xícara de chá de chá. Beba duas xícaras por dia.

Projeto dá orientações a idosos sobre uso consciente das plantas medicinais

O projeto de extensão do curso de Nutrição da Estácio Ponta Negra – denominado “Educação em saúde visando o uso racional de plantas medicinais e/ou fitoterápicos em grupos de idosos na cidade de Natal/RN” -, realiza encontros mensais com grupos da terceira idade no Serviço Social do Comércio do RN (Sesc-RN). Estudantes supervisionados pela coordenadora do projeto, professora Ana Elizabeth Alves, já realizaram um levantamento das plantas medicinais mais conhecidas e utilizadas pelos idosos atendidos pelo grupo.

A partir destas informações, o trabalho terá continuidade com a promoção de palestras a fim de orientá-los sobre o uso consciente das plantas de acordo com suas necessidades e com a preconização do Ministério da Saúde. Também faz parte do projeto a realização de oficinas culinárias com preparações de chás, infusões e suchás junto aos idosos, de modo que possam fazer o uso correto das plantas medicinais e usufruir seus benefícios de forma segura. O próximo encontro mensal será no dia 19 de junho.

Sobre o autor: Letra A

Postagens relacionadas

Voltar para as notícias

Compartilhe